Área restrita para assinante do CLUBE CORREIO FRATERNO.



  • Narrow screen resolution
  • Wide screen resolution
  • Auto width resolution
Assinante do CLUBE

Assinaturas

assine_correio

Vapt-vupt

122

Espaço do Leitor


Saiba
aqui como publicar seus textos no Correio Fraterno

 

Livro de Visitas

 

livro-de-visitas

Passatempo

Confira as respostas do  passatempo do jornal

Newsletter

Cadastre-se e receba as principais notícias
Home
Desencarna o comunicador da alegria PDF Imprimir E-mail

 "Você acha que e vim ao Piauí beber água?" Esse era o tom de brincadeira que José Jorge usava ao viajar Brasil afora. Ele aventurou-se por onde ainda havia uns poucos trabalhadores espíritas, por vezes, sem conhecer ninguém no local, levado pela intuição

 

Maria Lúcia de Sene

Ele usou e abusou de alegria, para fazer a divulgação da Doutrina Espírita, nos vários Estados brasileiros que visitou. Acabou fundando, junto ao outros companheiros, as Federações Espíritas do Acre, Amapá e Roraima, além de ajudar no crescimento de outras.

Nascido no Rio de Janeiro, em 11 de agosto de 1931, José Jorge Roiz era filho de Felipe José e Mercedes Roiz. Como professor, poeta, escritor e tradutor de francês, chegou a publicar cerca de 20 obras.

Dentre as traduções, destacam-se: Léon Denis, o Apóstolo do Espiritismo, de Gaston Luce; O mundo invisível e a guerra, de Léon Denis e Mesmer e o magnetismo animal, de Bersot. De sua autoria, publicou:  ilustrações doutrinárias (volumes I e II); Allan Kardec no pensamento de Léon Denis; Antologia do perispírito e Relembrando Deolindo (volumes I e II) .

Ele tinha uma crença profunda na necessidade da unificação do movimento espírita no Brasil e para isso ia a lugares distantes para levar essa idéia, contribuindo enormemente para organizar o movimento espírita nacional.

Participou do Pacto Áureo, movimento brasileiro inspirado por Bezerra de Menezes que estabeleceu bases organizativas do Espiritismo, em 1949, e da constituição do Museu Espírita do Brasil, que hoje permanece em Brasília, na Federação Espírita Brasileira.

Suas aulas no Instituto de Cultura Espírita do Brasil eram sempre criativas e no Conselho Federativo Nacional, da Federação Espírita Brasileira, era ouvido com atenção e alegria. Graças ao seu espírito de pesquisa e criatividade, trazia sempre uma visão diferente sobre os assuntos tratados. Costumava dizer, em suas palestras, que "espíritas que atuam são quase invisíveis. Espíritas que nada fazem são muito visíveis".

José Jorge fundou, no Rio de Janeiro, o Colégio Ricardense, de onde trouxe um hábito para suas palestras: organizar o assunto em fichas, escritas à mão, que mais tarde foram a base do Índice Remissivo de O Livro dos Espíritos (3 volumes), publicado pelo Centro Espírita Léon Denis. Foi nesse Centro que realizou as traduções de obras da Doutrina, originalmente escritas em francês.

No dia 11 de dezembro de 2006 ele se foi, deixando saudade entre os que puderem compartilhar de sua companhia.

 

Fonte de informação: Boletim SEI – Serviço Espírita de Informações, n. 2025 e 2034.