Área restrita para assinante do CLUBE CORREIO FRATERNO.



  • Narrow screen resolution
  • Wide screen resolution
  • Auto width resolution
Assinante do CLUBE

Assinaturas

assine_correio

Enquete

Você assina algum jornal ou revista espíritas?
 

Saiu no Correio


selo-50anos

 

Espaço do Leitor


Saiba
aqui como publicar seus textos no Correio Fraterno

 

Livro de Visitas

 

livro-de-visitas

Passatempo

Confira as respostas do  passatempo do jornal

Newsletter

Cadastre-se e receba as principais notícias

Campanha SORRIA

sorria_e_compartilhe_alegria

Home Nossas Seções Especial Analfabetismo doutrinário
Analfabetismo doutrinário PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marco Milani   

analfabetismoNa obra O evangelho segundo o espiritismo, capítulo 17, item 4, Allan Kardec afirma que o verdadeiro espírita pode ser reconhecido por sua transformação moral e pelo esforço que faz em domar suas más tendências. Nessa passagem, o codificador sinaliza a aplicação prática dos aspectos comportamentais esperados do espírita, para o qual os princípios doutrinários lhe fazem "vibrar as fibras que nos outros permanecem mudas; em uma palavra: foi tocado no coração, e por isso a sua fé é inabalável".

Assim, o verdadeiro espírita busca se transformar porque conhece a sua realidade espiritual e consegue compreender as consequências de seus atos diante de um contexto natural regulado pelas leis divinas.

Nesse sentido, a motivação para o autoaprimoramento é o conhecimento de si mesmo e das relações naturais presentes no processo evolutivo do ser, conforme apresentados no corpo teórico espírita. Logo, o verdadeiro espírita conhece os princípios doutrinários e age coerentemente com a cosmovisão espírita.
Kardec ainda sinaliza diferentes graus de compreensão e aplicação dos conceitos espíritas ao se referir àqueles que apenas creem nas manifestações dos desencarnados e àqueles que, além de crer, vislumbram e compreendem as consequências diretas e indiretas dessas relações entre os mundos visível e invisível.
E como se poderia designar os adeptos que se declaram espíritas, mas demonstram ignorar os princípios e valores doutrinários? Bastaria se declarar espírita para assim ser reconhecido pelos demais participantes desse grupo? É uma questão interessante e que envolve muito cuidado para não ferir suscetibilidades.
Modernamente, existe um conceito utilizado na área educacional para designar a situação na qual uma pessoa, mesmo possuindo os elementos que a capacitam a ler e escrever, não consegue interpretar e realizar associações de ideias expressas em um texto. Tal situação é denominada de analfabetismo funcional e não está restrita às pessoas com poucos anos formais de estudo. Há quatro níveis de alfabetismo, desde o nulo (analfabeto) até o grau pleno (alfabetizado sem restrições).
Conforme o Instituto Paulo Montenegro – IPM, vem aumentando a quantidade de brasileiros que não sabem ler e escrever plenamente. Em 2012, cerca de 65% das pessoas que completaram o ensino médio e 38% dos universitários eram alfabetizadas com restrições, ou seja, apresentavam dificuldades na plena interpretação escrita e associações de ideias e conceitos. Em 2002, esses dados eram de 51% e 24%, respectivamente. Ora, se essa é uma situação gravíssima detectada na sociedade brasileira, inclusive em cursos superiores, por que ela também não poderia se reproduzir no movimento espírita?
Analogamente a uma pessoa supostamente alfabetizada que não consegue compreender adequadamente um texto, pode-se aplicar esse mesmo conceito a um adepto do espiritismo que não consegue compreender plenamente os princípios e valores doutrinários. É possível conceber, portanto, uma situação de analfabetismo funcional doutrinário em diferentes graus.
Não se pode esconder ou fingir que esse contexto não existe, sob o falso discurso da caridade, pois que esta não é caracterizada pela omissão, mas pela ação construtiva. É a identificação dos pontos frágeis a serem melhorados e a discussão séria voltada ao fortalecimento da compreensão doutrinária que favorecerão a formulação de propostas educacionais eficazes para as casas espíritas.
Será que, com um índice de analfabetismo funcional tão expressivo, a simples disseminação de programas padronizados de ensino doutrinário voltados para um público plenamente alfabetizado e para todas as regiões do país é pertinente? Como identificar e ajudar o analfabeto funcional a compreender os fundamentos do espiritismo? Será que muitos analfabetos doutrinários estão assumindo a tribuna para divulgar o espiritismo? São questões a serem respondidas com ponderação.
O Ministério da Educação do Brasil e muitas instituições de ensino possuem profissionais debruçados sobre o problema do analfabetismo funcional e existem algumas propostas para a respectiva solução, mas todas elas passam pela melhoria do ensino de base, ou seja, foca-se nas novas gerações e não na atual. Fica a sugestão para todos os dirigentes das casas espíritas e das entidades federativas para refletirem sobre como essa questão influencia a divulgação e a compreensão dos princípios doutrinários ao público adulto. Incentivemos o desenvolvimento de verdadeiros espíritas e não de aparentes adeptos.

 

* Economista e professor universitário. Diretor do Departamento do Livro da USE Regional SP.

 

Dicas para melhorar a leitura

 

Equívocos que atrapalham a interpretação de textos

 

Os níveis de alfabetização



 

Conheça os livros da editora

correio fraterno 

 

carrinho

LANÇAMENTO

ex lio

J.W.Rochester revela com sua reconhecida veia literária os bastidores das paixões que rondam a vida de ciganos e saltimbancos no início da Era Moderna. Tudo gira em torno do Grand Circo Monteverdi, onde Rosalva viverá inesquecíveis desafios.

 

 

 

 Autora: Arandi Gomes Teixeira

Espírito J.W. Rochester

 

ISBN: 978-85-98563-97-8
16x23 cm
  496 páginas

 

R$ 39,90


 

Correio nas redes sociais


issuu-logocute-twitter-logo

logo-youtube

facebook