Área restrita para assinante do CLUBE CORREIO FRATERNO.



  • Narrow screen resolution
  • Wide screen resolution
  • Auto width resolution
Assinante do CLUBE

Assinaturas

assine_correio

Enquete

Você assina algum jornal ou revista espíritas?
 

Saiu no Correio


selo-50anos

 

Espaço do Leitor


Saiba
aqui como publicar seus textos no Correio Fraterno

 

Livro de Visitas

 

livro-de-visitas

Passatempo

Confira as respostas do  passatempo do jornal

Newsletter

Cadastre-se e receba as principais notícias

Campanha SORRIA

sorria_e_compartilhe_alegria

Home Nossas Seções Baú de Memórias A primeira carta de Kardec à Amélie Boudet
A primeira carta de Kardec à Amélie Boudet PDF Imprimir E-mail

cartaPor Izabel Vitusso

Entre os documentos originais que foram salvos do saque que a Maison des espirites sofreu na invasão dos nazistas, em 1940, em Paris, pesquisadores encontraram a primeira carta que Allan Kardec escreveu para a sua namorada, com quem ele viria a se casar no ano seguinte. Amélie Boudet morava com os pais em cidade a cerca de 200 quilômetros de Paris.
Na carta, feliz, Kardec se manifesta, agradecendo pela permissão de poder trocar cartas diretamente com sua namorada. Sua franqueza e a forma direta de lidar com suas questões mais íntimas será a marca registrada que o acompanhará no intenso trabalho, que dará corpo à codificação da doutrina espírita anos depois.
Quando Kardec escreveu esta carta, estava com 27 anos de idade e Amélie com 36. Casaram-se em 9 de fevereiro de 1832, e permaneceram 37 anos unidos, até a desencarnação do codificador, em 31 de março de 1869.

"Minha mãe acabou de receber a resposta do senhor vosso pai, à solicitação feita por mim, através dela. Apresso-me em aproveitar dessa permissão, que ele me concedeu, para vos exprimir diretamente toda a alegria que esse consentimento me proporcionou e quanto feliz eu seria que a vossa determinação pessoal corresponda à minha expectativa; confesso-vos, que ouso um pouco acreditar nisso, através da carta do senhor vosso pai e também pelo que me foi relatado pelas senhoras Musset e Boisset; essa esperança, senhorita, apressa ainda mais os meus votos para a chegada do momento em que eu poderei exprimir-vos, de viva voz, as esperanças de felicidade que eu deposito nessa união.
Embora só tenha tido o prazer de ver-vos uma só vez, essa única entrevista me convenceu de que essas senhoras em nada exageraram, ao pintar-vos com cores tão gentis. Anseio vivamente que nenhum obstáculo venha retardar a realização dos meus desejos.
Sem dúvida, não ser-vos-á uma surpresa de não encontrar nesta carta o estilo muitas vezes empregado para tais ocasiões. Confesso-vos não ter nenhuma experiência nisso e não ter disposição para fazer demonstração enfáticas, cuja realidade repousa, muitas vezes, num sentimento demasiadamente fugas.
carta1Prefiro, a essas vãs maneiras de demonstrações, a expressão de uma estima recíproca, a única capaz de assegurar uma felicidade duradoura, ao abrigo do tempo e das vicissitudes, e eu ouso acreditar que vós compartilhais desse meu sentimento e que os nossos pais verão, com maior satisfação, uma união fundada nessas bases.
Eu gostaria de assegurar-vos, senhorita, que vós encontrareis em minha mãe e em meu tio, parentes que vos afeiçoarão como uma filha e que aguardam igualmente ansiosos que seus votos se concretizem, com sua chegada entre eles.
A sra. Musset me convida a anexar a esta carta dados referentes a meu nome, idade etc. para seu pai possa ter acesso às informações necessárias para as formalidades que ele será levado a preencher em sua região. (Hypolite, Léon Denizard Rivail, nascido em Lyon, no dia 3 de outubro de 1804, filho de Jean Baptiste-Antonie Rivail, advogado e de Jeanne Louise Duhamel).
Pedir-vos-ia senhorita, ser a intérprete junto a vossa mãe e ao vosso pai dos sentimentos de mais elevada consideração, de minha mãe, do meu tio e de mim mesmo, expressando-lhe o quanto essa resposta foi motivo de alegria para todos nós.
Aceita, senhorita, as homenagens mais cordiais desse que tem a honra em estar em total devoção.
Vosso mais humilde e obediente servidor."

H.L.D. Rivail, Paris, dia 13 de agosto de 1831.

 

472p

Publicado no jornal Correio Fraterno - Edição 472  novembro/dezembro 2016 

 

 

Conheça os livros da editora

correio fraterno 

 

carrinho

LANÇAMENTO

perfume de helena

  Num romance que combina a  descrição de seus sentimentos mais profundos com a fria incerteza do amanhã, Juliana conta a sua própria história. Sonhando com a maternidade, ela vê seus ideais serem ameaçados logo no primeiro exame pré-natal. Uma linda história de amor e superação.

 

 Autora: Juliana Ferenzin Heck

 

ISBN: 978-85-98563-96-1
14x21 cm
   160 páginas

 

R$ 29,90


 

Correio nas redes sociais


issuu-logocute-twitter-logo

logo-youtube

facebook