Área restrita para assinante do CLUBE CORREIO FRATERNO.



  • Narrow screen resolution
  • Wide screen resolution
  • Auto width resolution
Assinante do CLUBE

Assinaturas

assine_correio

Enquete

Você assina algum jornal ou revista espíritas?
 

Saiu no Correio


selo correio 50

 

Espaço do Leitor


Saiba
aqui como publicar seus textos no Correio Fraterno

 

Livro de Visitas

 

livro-de-visitas

Passatempo

Confira as respostas do  passatempo do jornal

Newsletter

Cadastre-se e receba as principais notícias

Campanha SORRIA

sorria_e_compartilhe_alegria

Home Nossas Seções Análise A preocupação com a dignidade humana
A preocupação com a dignidade humana PDF Imprimir E-mail

 dignidadeTiago Essado

Dignidade humana é um valor universal. Não é exclusivo dessa ou daquela religião, mas de todos que veem no ser humano, independentemente de raça, credo, nacionalidade, sexo, um sujeito de direitos, destinado ao progresso e à felicidade.

Jesus é um exemplo histórico de quem, de fato, colocou o ser humano à luz do sol. Valorizou o miserável, a prostituta, o usurário, o poderoso, mas sempre se preocupou em proteger o fraco, o vulnerável, o oprimido. Procurava elevá-los, dar-lhes ânimo e coragem para prosseguirem na jornada, apesar das naturais dificuldades. E isso porque tinha a consciência de que a realidade vai além da perspectiva material.

Nota-se, assim, que a dignidade humana é algo intrínseco ao ser humano, independentemente de decreto legal.
Em relação à contemporaneidade, o valor dignidade humana remonta-se à Revolução Francesa, em 1789. Naquela ocasião houve a afirmação de direitos importantes ao ser humano, entre eles a liberdade, a igualdade, a fraternidade, como forma de colocá-lo acima dos anseios subjetivos e desmedidos do déspota. Havia a necessidade de se impor limites ao arbítrio.
Infelizmente, esse movimento não foi suficiente para impedir guerras e atrocidades mundiais, sobretudo as ocorridas na primeira metade do século 20. Em 1948, as nações resolvem afirmar expressamente a preocupação com a dignidade humana. Surge, desse modo, a Declaração Universal dos Direitos Humanos, sob a coordenação da ONU, inspirada nos ideais da Revolução Francesa.
O artigo 1º da Declaração sintetiza os valores que dela emanam: "Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade".
Se a lei, por si só, não muda o comportamento humano, certo é que a partir da Declaração dos Direitos Humanos a dignidade humana passa a ser lentamente permeabilizada no âmbito das nações, e isso em patamar mundial.
Aos poucos vão surgindo pessoas, grupos e instituições que passam a falar sobre direitos humanos, e a importância de respeitá-los para o progresso da civilização humana.
A Constituição Federal, de 1988, traz a dignidade humana logo no início do texto constitucional, inserindo-a como fundamento da república.
A partir dos anos 2000 surgem monografias, livros, estudos, debates, congressos sobre o assunto. Parte da sociedade civil se organiza para defender a dignidade humana, a partir de ONGs, ainda que à custa de preconceitos e de má compreensões.aje
A defesa da dignidade humana implica respeitar a todos, indistintamente, mas em especial os que têm seus direitos básicos aviltados. Respeitar o preso, o homossexual, a lésbica, o transexual, o negro, o refugiado, o índio, a pessoa em situação de rua, a pessoa com deficiência, enfim, o vulnerável em direitos e em proteção.
Isso é um resgate da prática da lei do amor, da justiça e da caridade, tão bem aplicada por Cristo, e reafirmada como essência das leis morais, na terceira parte de O livro dos espíritos.
A hora é de aplicarmos a dignidade humana em todas as atividades em que nos achamos inseridos.
Não foi à toa que Emmanuel destacou: "É assim que, repetindo as lições do Cristo para o mundo atormentado, não nos achamos simplesmente diante de um espiritismo social, mas em pleno movimento de recuperação da dignidade humana, porquanto, em verdade, perante o materialismo irresponsável a sombrear universidades e gabinetes, administrações e conselhos, laboratórios e templos, cenáculos e multidões, o Evangelho de Jesus, para esclarecimento do povo, tem regime de urgência."

Tiago Cintra Essado é promotor de justiça, SP e presidente da AJE-Brasil (Associação Jurídico-Espírita do Brasil).

 

1 - Seara dos médiuns, por Chico Xavier, FEB.

 

Publicado no jornal Correio Fraterno - Edição 475 - maio/junho 2017

 

Conheça os livros da editora

correio fraterno 

 

carrinho

LANÇAMENTO

mesopotamia-capa
 

 Romance mediúnico clássico, em que o próprio rei assírio conta sobre seus enganos e arrependimentos três mil anos depois de ter levantado o maior império da Civilização Antiga.

 

 Autora: Dolores Bacelar

(Epírito Josepho)

 

ISBN: 978-85-98563-95-4
14 X 21 cm - 728 páginas 

 

R$ 39,90


Correio nas redes sociais


issuu-logocute-twitter-logo

logo-youtube

facebook